Resenha: ‘Assassinato no Expresso do Oriente – Agatha Christie’

Oiiiiii gente. Mais uma resenha chegando!! Dessa vez eu trago um romance policial da famosa Agatha Christie. São 196 páginas cheias de mistério. Primeiro confere a sinopse:

“Nada menos que um telegrama aguarda Hercule Poirot na recepção do hotel em que se hospedaria, na Turquia, requisitando seu retorno imediato a Londres. O detetive belga, então, embarca às pressas no Expresso do Oriente, inesperadamente lotado para aquela época do ano. O trem expresso, porém, é detido a meio caminho da Iugoslávia por uma forte nevasca, e um passageiro com muitos inimigos é brutalmente assassinado durante a madrugada. Caberá a Poirot descobrir quem entre os passageiros teria sido capaz de tamanha atrocidade, antes que o criminoso volte a atacar ou escape de suas mãos.”

Hercule Poirot é um detetive extremamente talentoso e perspicaz. Nossa história começa bem quando ele está indo embora da Síria, após ter solucionado um caso por lá, e indo para a Turquia, onde pretende passar uns dias em Istambul. Mas chegando em seu destino, lhe é entregue um telegrama que diz que Poirot precisa voltar a Londres imediatamente. Isso o intriga muito, pois é algo totalmente inesperado. Mas ele muda seus planos e vai atrás de comprar uma passagem de trem para Londres.

Apesar do trem estar lotado, o que é estranho, pois não é comum naquela época do ano, Poirot consegue um lugar por conta de sua amizade com o diretor da Compagnie Internationale des Wagons Lits, M. Bouc. O Expresso do Oriente parte então, começando sua viagem de três dias pela Europa. Após se instalar, Poirot se atualiza das pessoas que estão viajando com ele. Alguns ele simpatiza, outros nem tanto.

É o que acontece com o americano Ratchett, um dos passageiros da primeira classe do carro Wagon Lit, que lhe deu uma impressão muito estranha. Este mesmo senhor reconhece Poirot pelo nome e lhe oferece muito dinheiro se o detetive pegar o seu caso. Ratchett diz que, como todo homem rico, tem um inimigo e que está sendo ameaçado, então pede a ajuda de Poirot. Nosso detetive, que tem uma clientela muito limitada e também por não ter ido com a cara de Ratchett, recusa a oferta.

Na manhã seguinte Ratchett é encontrado morto em sua cabine, com vários golpes desferidos em seu corpo.  Apesar de ser algo terrível, seria de fácil solução: a polícia seria chamada e todo o processo de investigação teria início. Acontece que por causa de uma nevasca muito forte na madrugada, o trem está parado desde então e não tem como ninguém ir ou vir de lugar algum.

24208886_1140183256112639_2037977258_o

É então que o terror se instala, afinal estão todos presos com um assassino, que obviamente ninguém sabe quem é. Bouc então pede a ajuda de Poirot para solucionar este crime. Eles não tem ideia de quando irão retomar a viagem e se há alguém que tem grandes chances de descobrir a verdade, é Hercule Poirot.

Logo após o jantar, as portas que ligam um vagão ao outro do trem são trancadas, então claramente o assassino se encontra no carro Wagon Lit. Isso é o ponto de partida de Poirot, que com a ajuda de um médico e de Bouc, dá início a sua investigação. Olhar a cena do crime, o corpo, interrogar os passageiros, etc. São 13 suspeitos: O Condutor, o Secretário, o Valete, a Viúva, a Dama Sueca, a Princesa Russa, o Conde e Condessa Andrenyi, o Coronel, o Vendedor, o Italiano, a Governanta e a Criada.

Conforme os depoimentos avançam e também acreditando em suas intuições, Poirot começa a desconfiar de algumas pessoas e nem sempre são aquelas que parecem culpadas. O óbvio para nosso detetive parece fácil demais e ele investiga cada mínimo detalhe. Quando pensamos que ele não tem ideia do que está se passando, ele joga uma teoria certeira.

Poirot é muito organizado e metódico. Ele faz todo um cronograma com a ordem dos acontecimentos citados nos depoimentos e na investigação no carro em geral. Apesar de ele ouvir um por um dos suspeitos e esclarecer todos os detalhes, a leitura é bem fluída e muito envolvente. Você entra completamente as história e parece que está participando da investigação. O que não é de todo impossível, afinal podemos sim chegar a conclusão correta do caso, pois não é algo impossível de acontecer. Juntamente com todas as provas, podemos parar e pensar como Poirot faz e pode ser que você chegue na solução do crime.

“Diga-me alguma coisa, imploro-lhe, meu amigo. Mostre-me como o impossível pode ser possível!” 

Não foi o meu caso rs. Apesar de ser possível alguém chegar a mesma conclusão que Poirot, eu desafio quem for ler a descobrir. Quem já leu, por favor me diga se conseguiu. Eu achei surpreendente o desfecho. Apesar de ter achado alguns pequenos detalhes coincidência demais, a história toda é bem fechada e eu fiquei encantada pela inteligência de Poirot. Acompanhamos todas as etapas de sua investigação e quando eu me sentia perdida como Bouc e o Doutor ficavam, Poirot apontava detalhes que passaram despercebidos e que faziam todo o sentido.

Eu nunca tinha lido um romance policial e eu amei a experiência. Pode ser também por eu ter a vantagem de ter começado por ninguém menos que Agatha Christie, considerada a Rainha do Crime. Suas dezenas de romances policiais foram publicados em mais de uma centena de línguas no mundo inteiro. Ela faleceu em 1976 aos 85 anos, mas é reverenciada até hoje. Suas obras se eternizaram.

Assassinato no Expresso do Oriente foi publicado originalmente em 1934 e foi desde então uma das obras que mais fez sucesso e já teve 3 adaptações cinematográficas: 1974, 2001 e 2010. Mas o sucesso é tão grande que mais uma adaptação foi produzida e está tendo sua estréia aqui no Brasil, hoje (30/11). Nomes como: Penélope Cruz, Michelle Pfeiffer e Willem Dafoe fazem parte do elenco de arrasar. Vou deixar o trailer aqui para vocês.

Estou bem feliz por ter lido este livro e quebrado mais uma barreira literária. Eu super me vejo lendo outros livros do gênero agora rs. O livro é bem curto, então acredito que isso ajudou a leitura ser bem mais rápida. Pois não tinha tempo aqui para enrolações. Não temos desvios do caso em questão. Poirot é objetivo e quer ter esse crime, que parece ser impossível de solucionar num primeiro momento, desvendado, então temos o foco todo voltado para isso.

O livro é contado em terceira pessoa, que acredito ser a melhor narrativa para esse gênero (olha a novata dando pitaco haha). A letra e as páginas amareladas com certeza nos dão uma leitura muito confortável. Temos 3 divisões para separar os acontecimentos. A parte I: Os Fatos, parte II: Os Testemunhos e parte III: Hercule Poirot Para e Pensa. O livro é bem organizado, como o nosso detetive rsrs. Temos ainda uma pequena imagem do vagão do trem nos mostrando a cabine de cada passageiro, o que é bem legal para ir acompanhando. Recentemente a HarperCollins relançou o livro com uma sobre capa que lembra o poster do filme.

Um fato interessante: O passageiro morto, Ratchett, a alguns anos, na história, sequestrou e matou uma garotinha de 3 anos chamada Daysi Armstrong. Por ser rico, ele conseguiu fugir do país. Poirot chega a essa conclusão baseado em pistas logo no início da sua investigação, o levando a crer que o assassinato de Ratchett está diretamente ligado a este crime. Foi uma grande comoção nos Estados Unidos e obviamente ele saiu impune ~ até ser assassinado no trem. Acontece que a autora se baseou em uma história verídica. Mas na vida real o caso foi com um garotinho de 20 meses que desapareceu de seu berço. Indico darem uma pesquisada mais a fundo nisso, é bem interessante.

Eu indico demais esse livro. Acredito que pra quem é fã desse gênero e quer uma leitura rápida e envolvente, Assassinato no Expresso do Oriente é a pedida perfeita. Estou louca pra correr pegar mais livros de mistérios assim. Toda a emoção de tentar desvendar algo é viciante. Vou correr para assistir ao filme também, ansiosa para ver essa história nas telonas. Vou deixando minhas 5 Angelicas pra essa história. CLASSIFICAÇÃO 5 ANGÉLICAS

7 comentários em “Resenha: ‘Assassinato no Expresso do Oriente – Agatha Christie’

  1. Eu gosto de romances policiais, agora estou lendo uma série do James Patterson. Nunca li nada de Agatha Christie, mas com sua resenha me despertou a curiosidade, sobretudo com o “desafio” que voce lançou se conseguimos desvendar os mistérios, vou ler o livro e venho comentar depois se consegui ou não.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Ai, nunca li nada da Agatha Christie, mas sempre quis! E saber que o livro é pequeno e vai direto ao ponto me deu mais vontade ainda hahahha ando um pouco traumatizada com livros grandes demais, estão me cansando rs quero ler antes de ver o filme, e vou continuar fugindo dos spoilers 😛

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s