Resenha: ‘A Fênix de Fabergé – Sue Hecker & Cassandra Gia’

Respeitável Público eerrr… quer dizer… Olá galera! Hoje, o clima aqui no Além está bem circense e nós já estamos com a pipoca doce em mãos e animadas para um grande espetáculo. O lançamento de agosto da Editora Harlequin foi o livro A Fênix de Fabergé das autoras Sue Hecker e Cassandra Gia e, com ele, nós damos uma grande espiada em toda a magia por trás do Circo. Afinal, quem nunca amou ir ao circo quando criança, né? E quantos adultos usam as crianças como desculpa pra continuar indo? Kkkk. Enfim, chega de conversa e bora pra sinopse: 

“Desde que perdeu o pai em um incêndio no circo em que trabalhavam, Aleksei Ivanovich Markov ficou marcado para sempre, no corpo e na alma. Seu maior desejo é vingar-se do homem que devastou sua família. Quando o encontra, convicto de que nada nem ninguém o demoverá de seus planos, Aleksei conhece Kenya, uma bela jovem, também ligada ao seu passado trágico. Um romance intenso desenrola-se entre os dois, porém, amargurado pelo rancor, Aleksei tem sede de vingança. Muito mais do que ajudar Kenya a se libertar de um pai abusivo, ele terá que superar suas dores e, tal qual a fênix, renascer das próprias cinzas, a fim de evitar mais destruição. Como um ovo Fabergé, recheado de surpresas, talvez assim possam viver um amor que os levará — ou não — ao êxtase.” 

c03e2434-1430-45c0-a259-7ee05ba6fbe6

Aleksei Ivanovich Markov é um circense que ama o que faz, disso não temos dúvida! Depois de ter seu mundo destruído pelo fogo por causa da negligência de um homem que só pensa em dinheiro e em si mesmo, ele só consegue pensar em vingança e em ter seu próprio circo. Aliás, negligência é o menor dos defeitos desse homem que, acima de tudo, é cruel e insensível com todos a sua volta. Por causa de Adrik Vladmirovich Gorkov e toda sua insensibilidade, Aleksei perdeu o pai durante um incêndio quando ele tinha apenas 18 anos. Ambos trabalhavam no Circo Gorkov de Adrik, juntando todo o dinheiro que podiam para conseguir reunir sua família novamente depois de anos separados após a saída deles da Rússia. 

Após essa tragédia que deixou marcas em Aleksei, tanto por dentro quanto por fora, ele começa a trabalhar e lutar para se vingar do homem que tirou tudo dele. Dez anos depois, ele dá início ao seu plano contratando a filha de Adrik, Kenya, para trabalhar no seu próprio circo. 

Kenya é uma grande contorcionista que vem sofrendo com os abusos de seu pai controlador desde que fugiram da tragédia que foi o incêndio do Circo Gorkov. Desde então, o pai usa seu talento para o contorcionismo como forma de sustento para ambos, sempre cobrando mais e mais dela, não importa o quanto ela se esforce. Quando eles recebem a proposta de Kenya trabalhar para o Circo de Aleksei, através de representantes em vez do verdadeiro dono do circo, o pai de Kenya só consegue ver os cifrões por trás da proposta e após três grandes apresentações de Kenya, pagas pelo contratante, eles aceitam a oferta de Aleksei sem saber quem ele é. 

Assim, Kenya viaja e começa a morar no acampamento de trailer junto com todos os outros integrantes do circo. É tudo muito mágico e dá pra ver a admiração de Kenya a cada palavra que a gente lê. Ela, que sempre foi criada sozinha, longe de tudo e de todos, ao se ver rodeada de tantas pessoas com tantos talentos diferentes, se sente completa pela primeira vez na vida. Fora isso, ainda tem a grande química que ela sente por Aleksei não importando como ele esteja fantasiado: de palhaço Bim Bom, de motoqueiro do globo da morte e do próprio Aleksei, dono de tudo aquilo. Quando eles se encontram, o clima pega fogo e obviamente, eles não conseguem resistir a isso e logo começam um romance super quente e selvagem. 

Mas Aleksei tem esse grande segredo que pesa a história o tempo todo, já que, na verdade, ele contratou Kenya para se vingar do pai dela e isso nos deixa na expectativa de que a qualquer momento tudo virá a tona e levará o relacionamento deles por água abaixo. 

Confesso que, nos momentos finais do livro, eu fiquei com muita raiva da Kenya por algumas escolhas que ela faz. Afinal, o pai dela é claramente abusivo e em nenhum momento demonstra sequer um pingo de carinho ou respeito por ela. Muito pelo contrário, ele a humilha, xinga, menospreza e, em alguns momentos, chega até a agredi-la e ela sempre fica do lado dele em tudo. E isso me deixou bem irritada quando fui chegando nos momentos finais do livro.

“Pensando nisso, sinto-me a própria matryoshka, cujas partes externas foram separadas e retiradas, revelando uma nova boneca, diferente da anterior.”

Por mais que eu saiba que existam pessoas que não enxergam o abuso que sofrem, acho que Kenya vai um pouco além disso, já que ela fecha os olhos também para o que o pai faz com as outras pessoas. Eu acredito que, por mais que você não consiga enxergar o abuso que você sofre de alguém que você ama, é impossível não ver quando alguém que você ama, machuca outra pessoa a não ser que você não queira acreditar nisso. Escolha sua. Sinto muito em dizer que eu me vi julgando a Kenya em vários momentos e isso foi algo que não me deixou orgulhosa, afinal ela é a vítima ali. Não gostei do que a história despertou em mim, então quando foi chegando no final do livro, a leitura se tornou bem pesada.

Mas, no início, eu realmente amei tudo que foi escrito. Achei muito incrível a forma que as autoras descreveram toda a vida de um artista circense. Tudo que acontece nos bastidores, toda a mágica dos palcos, toda a energia feliz que há quando o circo está cheio de pessoas rindo e aplaudindo o espetáculo. Sabe aquela vontade de largar tudo e entrar pro circo e viajar o Brasil levando para as pessoas momentos felizes e divertidos? Pois bem, foi exatamente isso que eu senti quando embarquei na leitura desse livro. Por isso, quando comecei a ler, só consegui largá-lo depois de horas e de 20 capítulos lidos rs.

“O amor pelo circo é um mistério para quem nunca viveu a sensação mágica de subir num picadeiro, uma incógnita para quem pretende decifrar o olhar satisfeito de um artista quando realiza seu número”

f5e4cf47-d09c-410e-b8cc-46f95ce593ac

A cultura russa também um ponto forte sobre toda a história. Em vários diálogos temos algumas palavras escritas em russo, comida e itens típicos, como a Matryoshka. E as autoras tiveram o cuidado de explicar tudo para os leitores nos rodapés das páginas. Achei tudo isso muito atencioso, dá pra ver o quanto elas pesquisaram sobre tudo pra trazer a história mais completa possível. E eu adorei saber um pouco sobre essa cultura tão incrível.

Outra coisa que preciso falar é sobre Aleksei. Aaaaai Aleksei… sabe aquele mocinho que a gente quer colocar no colo e abraçar? Pois bem, é ele! Aleksei teve um passado muito difícil desde antes do circo pegar fogo (literalmente), sua vinda da Rússia pro Brasil, a separação da sua família, o objetivo de juntar todo dinheiro que podia para juntar a família novamente e trabalhar muito nisso… e mesmo assim, ainda tirou forças para amar o que fazia e tirar o melhor do momento.

Quando tudo foi por água abaixo e, com o desastre do incêndio, ele perdeu seu pai, o que trouxe várias outras consequências para sua família e ele ainda tirou o melhor que podia dali pra criar o seu próprio circo, para continuar fazendo o que ama e usou tudo de ruim que aconteceu como exemplo do que não fazer, e ele conseguiu e fez tudo da melhor maneira possível.

“- Como a fênix, sou um homem renascido das cinzas. Como presente maravilhoso que um ovo Fabergé guarda, minha vida tornou-se uma surpresa em termos de superação e de sucesso no ramo de trabalho que sempre amei. Para coroar tudo isso, encontrei minha maior riqueza dentro da matryoshka, que representa a mão que nutre e acalenta: você, minha devushka Kenya.”

Mesmo com sua sede de vingança e seu ódio por Adrik, em nenhum momento ele maltratou ou usou a Kenya para isso. Por mais que essa fosse sua vontade no início, logo que eles começam a ficar juntos, percebemos que ele nem cogita a hipótese de usá-la para algo. Pelo contrário, tudo que ele faz é protegê-la o máximo que consegue dos abusos que ela sofre do pai/treinador. Enfim, eu me apaixonei muuito por ele e me orgulhei dele em vários momentos do livro. Mesmo com um sentimento tão ruim como o ódio, ele não se deixou consumir por isso e manteve a sua humanidade e caráter intactos.

Nós recebemos o livro pela nossa parceria com a Editora Harlequin e, mais uma vez, eles não deixaram nada a desejar quanto à diagramação. As páginas são amareladas com fonte e espaçamento ótimos para uma leitura super confortável. A capa é linda e representa muito bem a história que nos é contada. Os capítulos são bem sinalizados e têm em suas aberturas os desenhos de trapezistas. Fora que, junto com o livro, veio um marcador de imã mega fofo em forma de uma Boneca Matryoshka, que faz parte do número da Kenya no livro. Eu realmente estou muito apaixonada pelo trabalho da editora nesse livro. Harlequin arrasou!

474f3701-29d8-4cc9-88cd-30e86e1e6e4b

Enfim, eu indico esse livro para todos aqueles que amam o circo e que queiram se divertir e se emocionar com seus bastidores. A magia está garantida! Indico também para aqueles que amam ler histórias sobre o amor nascendo de onde era suposto existir apenas ódio. Assim, encerro essa resenha, deixando as minhas 3 Angélicas para Aleksei que me surpreendeu a cada página, que me emocionou com sua história e me deixou orgulhosa por sua integridade e coragem de ir contra tudo e todos, se tornando a melhor pessoa que ele poderia ser.  CLASSIFICAÇÃO 3ANGÉLICAS

7 comentários em “Resenha: ‘A Fênix de Fabergé – Sue Hecker & Cassandra Gia’

  1. Muito obrigada pela resenha super bem escrita e elaborada! Claro que ficamos sempre muito felizes quando gostam e elogiam nossa história, porém, uma leitura séria, que resulta numa análise crítica criteriosa e respeitosa como a que foi feita.por você é extremamente gratificante! Você leu e destacou, em sua opinião, os aspectos positivos e negativos, sem desmerecer nosso trabalho nem nos ofender! Isso foi fabuloso, pois críticas construtivas são super bem-vindas para que possamos crescer! Obrigada de coração. ❤👏❤👏❤

    Curtido por 2 pessoas

    1. Ai Casandra, muito obrigada pelo seu comentário. E parabenizo você e a Sue, pelo trabalho incrível que vocês fizeram nesse livro.
      Apesar dos pontos negativos que citei na resenha, eu realmente devorei a história quando peguei o livro e fiquei completamente apaixonada pela magia do circo e pela cultura russa. Vocês arrasaram ❤️

      Curtir

  2. Ainda não tinha ouvido falar sobre essa obra mas parece ser boa logo de cara temos uma fatalidade e um homem que procura vingança fatos que faz queremos ir mais a fundo na história. Obrigado pela dica vou tentar lê mais aprofundadante e falo o que achei

    Curtir

  3. Fiquei imaginando (como sempre faço) as possibilidades de composições e cores num ambiente circense. A resenha está super bem escrita se tornando cativante, diferente de muitas que tenho lido que por vezes se tornam maçantes. Parabéns. O mundo do circo ao que mostra-me, tem muita disciplina, muita força mental envolvida, além da física. Agora pegue isso e coloque aspectos sentimentais, onde o coração bate mais forte. Bela atmosfera. Mesmo assim, você colocou credibilidade ao ser bem franca com o que leu e sentiu, mostrando isso em sua avaliação final.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s