Resenha: ‘Uma Amor de Inverno – Carrie Elks’

Oi gente! Depois de mais de um mês sem aparecer por aqui, eu estou de volta. E hoje vamos falar de mais um livro da série As Irmãs Shakespeare, Um Amor de Inverno, da Carrie Elks. Essa série conta a história das irmãs Shakespeare e em cada um dos livros vamos conhecendo uma delas. Já conhecemos Cesca em Um Verão na Itália, e agora chegou a vez de conhecer um pouco mais da caçula das irmãs, a Kitty. Mas antes de falar mais, confiram a sinopse…

“A estudante de cinema Kitty Shakespeare está determinada a aproveitar ao máximo seu novo emprego como babá. Pode não ser exatamente a carreira que ela esperava quando mudou de Londres para Los Angeles, mas, graças ao hábito de travar em entrevistas, esta pode ser sua última chance de impressionar um dos maiores produtores de Hollywood ― se ela conseguir cuidar do filho dele direito, certamente o homem vai olhar para ela com mais atenção. Pelo lado positivo, há muita neve na casa da família nas montanhas e ela sempre adorou crianças. Mas Kitty não contava se envolver com a família problemática do chefe, nem se sentir atraída por Adam, o irmão sexy e recluso. Adam Klein pode ser lindo, mas também é bruto e grosseiro e não está pronto para cair de quatro pela babá ― não depois do ano que ele teve. Tudo o que ele quer é se enfiar em sua cabana na floresta e se esconder do irmão que destruiu sua vida. Se ao menos ele conseguisse ignorar a maneira como Kitty faz seu coração disparar… Isso está longe de ser amor à primeira vista ― mas desde quando o caminho para um final feliz digno de cinema acontece sem tropeços?”

Kitty se mudou de Londres para Los Angeles para fazer faculdade de cinema, mas está tendo muitas dificuldades em conseguir um estágio na área. O problema nem é sua qualificação, mas ela é péssima nas entrevistas. Elas não são algo que deixam Kitty a vontade e por isso ainda não conseguiu nada. Só que aparentemente ela foi bem na última entrevista e conseguiu uma vaga para trabalhar para Everett Klein, um grande produtor de filmes de Hollywood. Mas não tem nada ver com cinema, a família Klein precisa de uma babá e é esse o emprego que eles oferecem à ela.  

Não era muito bem o emprego que Kitty gostaria, mas acredita que durante o tempo que trabalhar de babá poderá se aproximar de Everett e ter a chance de trabalhar com o que realmente gosta. Então, ela vai para a casa da família na Virgínia Ocidental, onde todos se reunirão para o Natal. Só que as coisas começam a dar errado antes mesmo dela chegar lá, já que o seu carro resolve quebrar no meio da estrada, no meio da noite e nevando. Ela é salva por um cara, super bonito, mas sinistro que vai descobrir se tratar de Adam Klein, um famoso documentarista e mais importante: irmão de seu novo chefe. 

Essa primeira interação deles não foi nada boa, as próximas também não serão, mas ambos tentarão se dar bem por causa de Jonas, o sobrinho de Adam na qual Kitty veio para ser babá. Ele é um menino muito sozinho e super negligenciado pelos pais, então Kitty se sente muito protetora sobre ele. Esse sentimento de querer ser amado, acaba unindo Adam e Kitty, pois eles começam a fazer qualquer coisa para tornar a vida de Jonas mais feliz. É o famoso pobre menino rico já que os pais só se importam de pagar pelas coisas e jamais em dar a verdadeira atenção que ele precisa e merece. 

“Ele era multifacetado e complicado pra caramba, e mais difícil de decifrar do que uma equação matemática. Mas era um quebra-cabeças que estava desesperada para resolver.”

Jonas é a cola que une Kitty e Adam, mas há algo mais. Eles se sentem atraídos um pelo outro, mas ela tem medo de se arriscar justamente por não saber nada dele. Kitty conhece a história do famoso documentarista, mas não sabe nada sobre o homem por trás da fama e ele não tem nenhum interesse de se abrir com ela. Aos poucos, vai descobrindo que Adam e Everett tiveram uma grande briga e é por isso que o clima na família Klein não é nada boa. Ele não consegue nem ficar sob o mesmo teto que o irmão mais velho e por isso está vivendo na cabana que fica na propriedade. Além disso faz terapia para controle de raiva. A vida dele mudou completamente e Adam não quer trazer Kitty para dentro disso.  

O que eu gosto nessa história é que o romance entre os dois vai acontecendo aos poucos e naturalmente. Kitty é muito jovem e sonhadora, já Adam é um homem que se tornou amargurado e que a primeira vista, pode até ser chamado de grosseiro e rude, mas ele está perdido e como ela tem um coração enorme, Kitty vai tentar ajudar Adam a se encontrar. Sem falar que tudo isso acontece no período que eu mais amo no ano: o natal, então não me achem louca por ter feito fotos com decoração natalina. Vai ter muita neve e muito romance nessa história. 

“Não era só sexo. Não era só a forma como ela o fazia sentir. Era ela e a maneira como iluminava a cabana só de entrar ali. Seu próprio presente de Natal para passear, falar, amar.”

A trama não gira em torno apenas do casal, mas temos o mistério sobre a briga dos irmãos Klein. Desde o início, eu queria saber o que aconteceu que mudou tanto a vida de Adam ao ponto dele se tornar recluso e odiar o irmão. Felizmente tivemos respostas, mas acho que ficou faltando um pouco mais desenvolvimento sobre Everett. Daí eu pensei, ‘ok, a história não se trata dele’, então todas as respostas que a autora nos ofereceu fez sentido para a história de Adam e pra mim ficou tudo bem. Sem contar que quando tudo é colocado na mesa, não só a relação dos irmãos muda, mas a da família também. 

Outra coisa que devemos mencionar é que apesar de Um Amor de Inverno fazer parte de uma série, esse livro poderia ser lido sem precisar ler o livro anterior. As irmãs de Kitty pouco apareceram, mas alguns fatos desenvolvido no primeiro livro são citados aqui. Só que não é nada que interfira na história da Kitty. As irmãos são muito unidas, mas cada uma delas vive num país ou cidade diferente, então a interação delas não acontecem pessoalmente. Eu confesso que sinto falta disso, delas estarem juntas e se apoiando, mas aí mais uma vez a autora nos mostrar que elas não precisam estar juntas fisicamente para serem próximas uma das outras. 

“Isso era amor? Ela não sabia. Mas, fosse o que fosse que sentia, era muito poderoso para ignorar.”

Esse livro é um romance muito mais picante que Um Verão na Itália, mas isso não me incomodou. A narrativa da Carrie pode ser vista como lenta, mas eu gosto da forma que ela escreve porque ela vai construindo a história e não corre com os fatos. Ela constrói a história dos casais de forma natural, não é aquele tipo de amor arrebatador onde o casal acaba de se conhecer e já se ama loucamente, então o leitor pode acompanhar cada dilema dos personagens. Eu acho a narrativa da autora cativante e a série pode até ser classificada como clichê, mas eu sempre vou defender um clichê bem escrito e isso a Carrie sabe fazer.

Sobre a edição, eu amo que a Editora Verus está tentando manter as capas o mais próxima possível das capas originais, que são lindas. A diagramação é bem simples, mas é confortável para a leitura. Temos páginas amareladas e a narrativa é feita em terceira pessoa. Apesar de ser desta forma, o leitor não perde nada com relação as percepções de cada protagonista, pois a escrita da Carrie é fluida e nos carrega totalmente para dentro da história. Vale ressaltar que mesmo que a diagramação seja simples, a autora decidiu colocar em cada início de capítulo um trecho de alguma peça de Shakespeare. Faz todo sentido quando estamos falando de uma família que carrega o mesmo sobrenome desse grande escritor inglês né?

Um Amor de Inverno é um chick lit bem gostoso de ler. Vemos Kitty como uma personagem que vai crescendo a cada página que lemos e apesar de ter visto muito pouco dela no livro da Cesca, ela me mostrou uma maturidade muito grande, mesmo sendo a mais jovem das irmãs. Eu tive mais dificuldade de entender o Adam, mas ele também é um personagem que vai amadurecendo na trama. Esse livro não se tornou o meu preferido por muito pouco, mas o romance de Kitty e Adam vai conquistar vocês. Temos uma história com final satisfatório, então é garantia de uma leitura positiva. Eu não sei muito bem o que foi que não me conquistou completamente, eu fiquei sentindo falta de algo que ainda não sei muito bem o que é e por isso vou deixar 4 Angélicas pra esse livro. Já estou embarcando para Escócia para conhecer a irmã mais velha, Lucy.