A Hora do Chá: ‘Uma Promessa e Nada Mais – Mary Balogh’

Oi gente! Eu acho que já falei inúmeras vezes o quanto amo a série Clube dos Sobreviventes, da Mary Balogh, então estava bastante ansiosa por mais um livro da série. Uma Promessa e Nada Mais é o livro número 5 e sempre fico muito curiosa pela história de cada um deles. Dessa vez vamos conhecer Ralph Stockwood, o conde de Berwick, que apesar de toda a dor precisa seguir em frente e se casar. Conheçam a sinopse antes de falarmos mais sobre o livro…

Ralph Stockwood sempre se orgulhou de ser um líder nato. Mas, quando convenceu os amigos a lutarem com ele nas Guerras Napoleônicas, nunca imaginou que seria o único sobrevivente.
Mesmo atormentado pela culpa, Ralph precisa seguir em frente, arranjar uma esposa e garantir um herdeiro para seu título e sua fortuna.
Desde que a participação de Chloe Muirhead na temporada de Londres terminou de forma desastrosa, ela aceitou a possibilidade de ser, para sempre, uma solteirona. Para escapar da própria família, a moça se refugia na casa da madrinha de sua mãe. Lá, conhece Ralph.
Ele precisa de uma esposa. Ela não acharia ruim encontrar um marido. Então Chloe sugere que os dois se casem, por conveniência. A condição é uma só: Ralph precisa prometer que nunca a levará de volta a Londres.
Mas, de uma hora para outra, as circunstâncias mudam. E logo fica claro que, para Ralph, o acordo foi apenas uma promessa e nada mais…

Ralf, aos 18 anos, decidiu lutar nas Guerras Napoleônicas e ainda convenceu seus três melhores amigos a irem com ele. O destino de seus amigos foi uma morte rápida no campo de batalha e Ralf voltou à Londres com vários ferimentos graves, mas o pior era a culpa por ter persuadido os três a irem para a guerra, mesmo quando as famílias de todos foram contra. Depois que seus ferimentos foram curados, a família acreditava que, lentamente, ele voltaria ser aquele jovem vivaz que sempre foi, mas isso não aconteceu.

IMG_20200618_144926

O rapaz se afundou na dor e na escuridão de sua mente, ao ponto de tentar contra sua própria vida. Seu pai, na época o conde de Berwick, foi quem o levou para Penderris Hall, a casa de campo do Duque de Stanbrook. Ele passou três anos por lá e, foi assim que conheceu os outros integrantes do, que viria a ser, Clube dos Sobreviventes. Apesar de ter deixado a Cornualha, ele nunca se curou completamente. Ralf acredita que tem sentimentos sinceros pelos amigos, mas não acha que seria capaz de amar mais ninguém. Ele trancou todos os sentimentos dentro de si mesmo.

Ele nunca viu isso como um problema, mas agora, além de ser o conde de Berwick, ele é o herdeiro iminente de um ducado já que seu avô está com a saúde fragilizada e idade avançada. Ele precisa se casar e garantir que tenha logo um herdeiro, mas só de imaginar ter que fazer a corte à alguém já lhe deixa com calafrios. Como não tem outro jeito, ele aceita seu destino, mas antes decide visitar os avós no interior e depois voltar para a temporada e encontrar uma esposa. Ralf não imaginou que sairia da casa dos avós já com uma proposta.

“Estava com 26 anos e às vezes se sentia um septuagenário. Desfrutava de boa saúde apesar das numerosas cicatrizes de batalha que levaria para a sepultura, inclusive uma que lhe atravessava o rosto.”

Chloe Muirhead já se tornou uma solteirona. Aos 27 anos, nenhuma proposta de casamento e um passado cheio de escândalos familiares não lhe renderão o que sempre sonhou: um bom casamento, uma casa para cuidar e filhos para amar. E com as novas fofocas ainda a perseguindo, decide se isolar na casa de campo da duquesa, que foi uma grande amiga de sua avó e madrinha de sua falecida mãe. Ela vai em busca de um trabalho, mas a duquesa a acolhe como uma convidada da família. Os dias vão se passando e apesar de Chloe estar mais tranquila e afastada das fofocas, aquela vontade de formar uma família continua muito vivo dentro dela.

Quando o neto da duquesa, futuro Duque de Worthingham, chega para uma visita aos avós, Chloe percebe que pode enfim realizar o sonho de se casar. Ambos desejam a mesma coisa, um casamento sem laços emocionais, um herdeiro e uma vida tranquila no campo. Ela ainda deseja a segurança que um bom matrimonio pode trazer, então decide se arriscar e fazer uma proposta pra lá de audaciosa à Ralf, que fica completamente atordoado pela ousadia dela, mas que acaba aceitando. E assim se inicia o casamento/contrato mais frio de todos os Sobreviventes. Um não sabe nada sobre o outro e, aparentemente, é assim que querem continuar.

“Posso lhe dar um sobrenome com tudo o que ele implica no presente e promete para o futuro e posso oferecer segurança, respeitabilidade e proteção. Posso lhe dar um lar e filhos. Contudo, não lhe darei amor nem romance, nem mesmo uma afeição fingida que não sinto. Mas me comprometo a demonstrar respeito e cortesia constantes.”

O relacionamento entre eles é bem frio e mecânico, pois nenhum dos dois deseja romance. Será um longo caminho até que ambos se sintam confortáveis na presença um do outro. Ainda mais quando percebem que o futuro calmo e tranquilo que desejavam não será nada fácil. Ralf logo será cobrado de suas obrigações com o ducado, enquanto Chloe precisará enfrentar seus medos e a sociedade que tanto a julgou. Mas é na dificuldade que as pessoas se unem, não é mesmo? Ralf e Chloe logo perceberão que juntos são mais fortes diante de cada dificuldade que se apresenta e assim se tornam dependentes da presença um do outro.

Essa história me fez parar para refletir sobre os casamentos arranjados. Eles são dois completos estranhos que precisam aprender a dividir não só a vida que terão juntos, mas uma intimidade necessária. Ralf apesar da máscara de homem frio e sem sentimentos, não é um bruto, então inicialmente, as cenas de sexo não são cheias de faíscas. Elas evoluem, pois ambos acreditam que podem ter prazer mesmo que estejam focados no objetivo de fazer o herdeiro. Esse com certeza foi o livro mais doloroso de ler, pois mostrou todas as camadas de um casamento sem amor.

IMG_20200618_153444

Todos os livros trazem pessoas que precisam curar suas feridas físicas e emocionais, mas nós ainda não tínhamos esbarrado num Sobrevivente que quisesse tanto se manter o mais afastado, emocionalmente, das pessoas. O meu sentimento pelo Ralf é ambíguo, pois eu o amava e odiava na mesma medida. Ele está muito longe daqueles mocinhos que suspiramos, mas é perfeito dentro da sua imperfeição. Quanto à Chloe, que mocinha inspiradora. Ela luta não só por si mesma, mas por todos a sua volta. Ela, um dia, se deixou abater por mexericos maldosos, mas teve a chance de levantar a cabeça e enfrentou cada um dos seus medos e dificuldades, inclusive Ralf. Ela não é a esposa dócil e calada que ele um dia esperou que seria, mas é uma mulher forte, corajosa, dedicada e paciente. Não esperava ter sentimentos por Ralf e até tenta negar que esteja passando as barreiras do acordo deles, só que ela será fundamental não só para o seu próprio processo de cura, mas para o dele também.

“O problema em fugir é que você precisa sempre se levar junto.”

Mas a história não se foca apenas no processo de intimidade do casal. Temos vários personagens que serão essenciais para movimentar essa história e a maioria deles são os meus amados Sobreviventes. Apenas Imogen e Ben não aparecem nesse livro. Toda vez que o Hugo – Uma Proposta e Nada Mais – apareceu, eu me lembrei porque gosto tanto dele. O duque de Stanbrook continua sendo um dos personagens que mais quero conhecer, fato que só acontecerá no último livro da série. Meu casal preferido não esteve presente, mas Vincent – Um Acordo e Nada Mais – fez uma pequena pontinha e eu fiquei toda feliz. Além dos Sobreviventes temos a esposa de Hugo, Gwen, dedicando sua amizade à Chloe para que ela não se sentisse excluída e a avó de Ralf, sendo uma fonte de amor para ambos.

A edição de Uma Promessa e Nada Mais segue o padrão da série e tenho um amor incondicional por essas capas, apesar de achar que deveria ter uma variação de cor maior. A diagramação é simples, mas que tem fonte e espaçamento confortáveis para leitura. Infelizmente, dessa vez terei que dizer que a revisão não está tão perfeita como as anteriores. A Editora Arqueiro tem publicado os livros com um bom intervalo entre eles, e já estou eufórica e triste pelos dois últimos. A narrativa é em terceira pessoa e a Mary nos presenteou com a presença de personagens já conhecidos em sua outra série. Haverá um baile e teremos presenças ilustres, como lorde Aidan Bedwyn e o duque de Bewcastle. Eu não vou confessar que gritei quando li os nomes deles. 

IMG_20200618_145033

O que dizer dessa história? Não esperem um romance arrebatador, daqueles que te deixam suspirando, pois não terão. Na minha humilde opinião, esse livro foi o mais humano e cru de toda a série. A Mary Balogh nos deu uma narrativa que explorou muito os sentimentos de seus protagonistas, as obrigações da nobreza assim como as particularidades de um casamento de conveniência. Sempre que lia algo com essa temática, ficava na torcida para que logo o casal se apaixonasse, mas Ralf e Chloe constroem um relacionamento baseado apenas no respeito mútuo e que lentamente vai virando afeto e admiração. Uma Promessa e Nada Mais se tornou o meu preferido, ao lado do segundo livro da série, e só sei dizer que os personagens são os mais humanos e valentes, além de serem perfeitos dentro de suas imperfeições. Enfim, deixo minhas 5 Angélicas.

CLASSIFICAÇÃO 5 ANGÉLICAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s