Resenha ‘A Adorável Loja de Chocolates de Paris – Jenny Colgan’

Oi ooooi gente! Hoje a resenha tem uma pegada gostosa. Literalmente falando. Vocês não imaginam o cheiro delicioso que eu enfrentei enquanto tirava as fotos haha. Se trata do novo livro de Jenny Colgan, para a Coleção Romance de Hoje, da Editora Arqueiro. A capa desse livro foi apresentada numa das primeiras lives dessa quarentena e, somada a essa temática deliciosa e a capa linda, vem o fato de ter me tornado fã da autora. Então, não tinha como não garantir meu exemplar já na pré-venda. Antes de falar mais, vamos a sinopse…

Sim, é verdade que Anna Trent é supervisora numa fábrica de chocolate. Mas isso não quer dizer que ela saiba fazer chocolate. Por isso, quando um acidente muda sua vida e Anna tem a chance de ir trabalhar numa tradicional loja em Paris, ela tem certeza de que vão descobrir que é uma fraude.
Afinal, existe uma diferença muito grande entre o chocolate industrial da sua cidade natal, no norte da Inglaterra, e as criações feitas à mão, com ingredientes da melhor procedência, pelo grande chocolatier Thierry Girard.
Mas com um pouco de sorte, muita paciência e a ajuda dos novos amigos, o exuberante Sami e o galanteador Frédéric, Anna vai descobrir mais sobre o verdadeiro chocolate – e sobre si mesma – do que jamais sonhou.
Cheio de lições de esperança, engraçado e irresistivelmente viciante, A adorável loja de chocolates de Paris é um romance delicioso que nos lembra que sempre vale a pena lutar pelas coisas mais doces da vida.

Anna Trent trabalhava como supervisora em uma Fábrica de Chocolates. Mas, um acidente a manda para o hospital e isso vai dar uma guinada na vida da jovem. Durante sua internação, acaba descobrindo que perdeu mais coisas do que imaginava com o que aconteceu, um pedaço – literalmente falando – de si e fica sem rumo. Quem também está internada no mesmo local é Claire Shawcourt, sua antiga professora de francês.

62

Com tempo livre e tristeza sondando as duas, Anna pelo o que perdeu e Claire pelo tratamento contra o câncer, uma amizade nasce entre elas, junto com aulas de francês. E, quando a mais nova não sabe mais o que fazer de sua vida, já que perdeu o emprego, será a mais velha que lhe dará uma luz. Ela conhece um famoso chocolatier em Paris e ele pode oferecer um trabalho. Sendo assim, a menina Trent parte para a Cidade Luz.

– Não consigo… Eu não aguento! – afirmou ela.
– Ah, querida. A vida é isto: a necessidade de aguentar as coisas.

Ao chegar em seu novo apartamento, seu caminho já se cruza com o de Sami, seu exuberante, animado e festeiro novo amigo. Mas, seu destino é a Le Chapeau Chocolat, a loja do famoso Thierry Girard. Lá, ainda irá encontrar com Frédéric, Benôit e Alice. Além de aprender que em uma loja artesanal, as coisas funcionam bem diferentes do que numa fábrica. E então, provará o sonho em forma de chocolate, que só Thierry é capaz de fazer, suas manhas ao manusear o doce e seus truques. Ainda que seja uma faz tudo, Anna não só vai lavar louças, ela também vai aprender como é confeccionar um doce.

A moça também irá conhecer Laurent, filho de Thierry, que vive as turras com o pai, mas que tem um dom na cozinha, assim como seu progenitor, mesmo que não use da mesma forma. E eles vão se aproximar ainda mais, quando o chocolatier sofre um infarto e a loja acaba nas mãos de três preocupados funcionários, que não sabem se vão conseguir manter o nível de magia, enquanto Alice – a esposa dele – quer que tudo continue igual e Laurent não esteja muito a fim de ajudar, devido a todos os problemas que tem. Cabe saber, se Anna vai conseguir manter a loja, enquanto se preocupada com o dono dela, e se ela vai conseguir se apaixonar.

Parece muito idiota se levar em consideração que eu tinha 30 anos, estava dura, tinha três dedos em um dos pés, alugava o quarto de um socialite gigante e possuía um emprego temporário. Mas, de repente, me senti livre.

Mas, não temos só essa história. Paralela a isso, vamos voltando para 1972 e acompanhar o verão de Claire em Paris e o quanto ela foi se apaixonando pela cidade, pela liberdade que ganhou longe do rígido pai e do amor que nasceu entre ela e Thierry. E como ela lidou quando precisou ir embora, quando deu prosseguimento a sua vida, a criar uma família, até o ponto em que ela se encontra.

63

Sem mais falar sobre a trama desse livro, quero destacar os personagens. Anna é uma protagonista que começa sua trama sofrendo demais. O seu acidente mexe muito com ela e a deixa muito insegura e acho que abala até mesmo sua auto confiança. Mas, o novo ar de Paris faz muito bem para ela, assim como a loja e a responsabilidade que ela não esperava carregar. Consegui ver sua evolução durante a trama e, mais que isso, conforme ela foi adquirindo confiança, ela começou a passar isso para as pessoas ao seu redor e que precisavam disso.

– […] Quando somos jovens, achamos que vamos ter muitas oportunidades no amor. Somos descuidados, desperdiçamos a juventude, a liberdade e o amor porque pensamos que teremos essas coisas para sempre. Mas elas não duram. Gastamos tudo para só depois avaliar se fizemos isso com sabedoria.

Sinto que Claire dividiu o protagonismo com ela. Sua história me tocou ainda mais. Não era fácil ser uma adolescente em 1972, tendo como pai um homem conservador e controlador, que não deixava que ela agisse conforme a sua idade. Ir para Paris, mudou tudo dentro dela, não era só uma adolescente apaixonada, mas experimentando a liberdade e o amadurecimento. Então, temos ela anos depois, enfrentando uma doença grave, mas ainda lutando para realizar um desejo, enquanto tenta ajudar Anna a se redescobrir também. Fiquei tão apaixonada nessas duas e na amizade que elas constroem…

64

Com os outros personagens, preciso dizer que todos tem um jeitinho especial ou um momento que nos conquista. Thierry nos conquista em sua fase mais nova e mais velha. Ele tem um jeito acolhedor, com um coração grande e eternamento apaixonado. Eu consegui sentir a magia de suas preparações e quis provar delas. Sobre sua esposa, Alice, ela me fez passar raiva em algumas momentos, mas também consegui compreender seu lado. Laurent conseguiu me encantar também, mesmo que em alguns momentos, quisesse sacudi-lo e apresentar algumas “verdades” a ele. Mas, como um bom rapaz, ele entendeu as coisas sozinho. Sami, Frédéric e Benôit formam um trio que vai nos proporcionar algumas risadas por aí. Ah, menção honrosa ao ex-marido de Claire, que homem incrível!

– Todas as garotas inglesas são tão sarcásticas quanto você?
– Todos os homens franceses são tão bobos quanto você?

Sobre a escrita de Jenny Colgan, eu fui conquistada desde o primeiro livro, e ainda mais apaixonada no segundo. Com essa adorável loja, Jenny me arrebatou de vez. Achei que ela conseguiu me surpreender trazendo uma história com um toque ainda mais incrível e tocante, com duas histórias paralelas, onde cada uma ganha um pedaço do nosso coração, de forma diferente. E, quando elas se entrelaçam, aí então que eu fiquei mexida e arrebatada para dentro da história. Achei que foi o chick lit mais fofinho, que mostra o crescimento da protagonista, sabe? Então, temos uma história gostosa, que vem em uma escrita fluida, com personagens que cativam, uma leveza e muitos sentimentos lindos. Ah, não nego, lágrimas rolaram também. Já posso falar que não vejo a hora dos próximos livros da autora?! Vamos fazer acontecer, Arqueiro!

65

Quanto a diagramação, temos essa capa lindíssima! Não nego que sou apaixonada pelas capas dos livros da Jenny, só que essa foi ainda mais. O dourado com o roxo combinou demais e, é a capa original. Por dentro, os capítulos são abertos com uma Torre Eiffel e corações para dividir partes. As folhas são levemente amareladas, com letras e espaçamento confortáveis para a leitura. No final, temos mais algumas receitinhas super deliciosas e, segundo a própria autora, fáceis de fazer. Já vou tentar, sim ou claro?! Ah, para quem comprou em pré-venda, ainda veio o Pin da Coleção Arqueiro, super lindinho.

Eu via as semelhanças entre mim e Claire, embora ela tivesse quase o dobro da minha idade. Claire percebia também e me mandara para cá para me trazer de volta à vida.

A Adorável Loja de Chocolates de Paris foi um livro que me tinha nas mãos desde quando foi revelada a capa e, ao fazer a leitura, fiquei ainda mais apaixonada. Com doses de amor, amizade e muito chocolate, deixo minhas cinco Angélicas e, realmente, fico ansiosa pelo próximo livro de Jenny Colgan.

CLASSIFICAÇÃO 5 ANGÉLICAS

Um comentário em “Resenha ‘A Adorável Loja de Chocolates de Paris – Jenny Colgan’

  1. Olá,
    Que resenha mais fofinha. Adorei conhecer um pouco mais sobre o livro e suas histórias e personagens. Imagino que ter que se redescobrir depois de uma perda assim deve ser bem complicado mesmo, mas ver amadurecimento e renascimento ser uma delícia de ler. Ter personagens secundários que fazem diferença também me ganha muito em uma leitura.

    Beijo!
    http://www.amorpelaspaginas.com

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s