A Hora do Chá ‘Nunca Julgue uma Dama pela Aparência – Sarah MacLean’

Oi ooooi gente! Hoje é a última quinta do mês, o que significa que além de ser dia da nossa coluna preferida, também é dia de falar sobre uma série mais antiga. E isso que dizer que chegou a hora de finalizar O Clube dos Canalhas, da Sarah MacLean. E posso dizer que é com dor no coração que eu vou me despedir dessa turma toda. Então, depois das histórias do Marquês de Bourne, Conde de Harlow e o Duque de Lamont, chegou a hora de conhecermos Chase. Ainda mais depois da grande bomba nas últimas linhas do livro anterior.

Duncan West, assim como todos os homens, enxerga apenas o que quer… Mas ele estava prestes a ver o que não queria. Para a aristocracia, Lady Georgiana é a pobre irmã de um duque, rejeitada pela família após ter sido arruinada no pior tipo de escândalo possível: uma mulher que fez escolhas infelizes ao entregar-se de corpo e alma para um rapaz que todos desconhecem. Mas a verdade é sempre muito mais chocante! Nos recônditos mais obscuros de Londres, Lady Georgiana é a mulher mais poderosa da Grã-Bretanha, a rainha do submundo londrino, e atende pelo nome de Chase, o lendário e temido fundador do cassino mais exclusivo da cidade, o Anjo Caído. Circulando disfarçada pelos corredores de seu império, Chase sabe dos piores segredos dos figurões da sociedade e tem todos os poderosos na palma de sua mão, mas durante anos os seus próprios mistérios nunca foram descobertos… Até agora! Brilhante, inteligente e bonito como o pecado, o jornalista Duncan West está intrigado com a linda mulher – que de alguma forma está ligada a um mundo de trevas e perdição. Ele sabe que Georgiana é muito mais do que parece e promete desvendar todos os seus segredos, expondo seu passado, ameaçando seu presente e arriscando tudo o que ela tem de mais precioso. Inclusive seu coração.

Assim como nos livros anteriores, vamos começar no momento que a ruína da protagonistas começou. Georgiana tinha apenas 16 anos quando se rendeu ao maior dos pecados que uma jovem lady poderia cometer: se render ao fogo da paixão e se entregar para um jovem. Ela jurava que era amor, mas logo descobriu o lado ruim desse sentimento. Arruinada, ela decide fugir, principalmente quando se descobre grávida. Muita parte da sua história, nos foi contada no segundo e terceiro livro da trilogia Números do Amor, ainda que não ter lido essa trilogia antes, não atrapalhe tanto. O resumo é que ela acabou fugindo para uma casa em Yorkshire, onde foi acolhida e pode dar à luz a Caroline. Seu irmão, que era conhecido como Duque do Desdém, acabou vendo a irmã assumir de frente seu erro perante a Sociedade, principalmente com o intuito de deixá-lo ser feliz. E assim, ela começou a ser alvo dos sussurros, fofocas e desprezo daquelas pessoas. Até ela decidir que não iria mais aceitar isso.

Agora, 10 anos depois disso, ela precisa voltar à Sociedade, pelo bem de sua filha. Mesmo que não seja o seu real desejo, ela precisa se casar, pensando no título e na segurança que ele trará para o futuro de sua menina. Então, ela precisa comparecer aos Bailes, enfrentar os comentários maldosos – mesmo que seja com a cabeça erguida -, e tentar, de algum modo, cair nas graças daquelas pessoas da nobreza. E, tendo Langley como seu alvo, ela não deseja usar a sua outra cartada: as ameaças de Chase. Afinal, bem embaixo dos narizes dessas pessoas, Georgiana é absurdamente poderosa. Ela encabeça a liderança do Anjo Caído, o maior cassino de Londres, como o misterioso Chase.

Georgiana não se importava com sua ruína. Na verdade, ela até defendia essa condição por uma série de razões, principalmente porque: uma vez arruinada, uma lady não precisava mais atender às formalidades convencionais da Sociedade.

Duncan West se sente culpado pela forma como Georgiana foi retratada em seu jornal e está disposto a tentar ajudá-la com o que for preciso, afinal, ela chamou a sua atenção. Mas, seu interesse vai aumentar ainda mais quando descobrir que a adorável lady também é Anna, a maior prostituta de Londres. Ou seja, entra em jogo a terceira face da nossa protagonista. E, quando ele descobre esse lado, vai oferecer algo maior. Em troca de palavras que a coloquem na graça daqueles que ela despreza, ela vai conseguir os segredos de uma pessoa em particular. Algo que ele precisa demais, pelo bem de seus próprios segredos. Mas, o que começa como uma relação de negócios, não vai seguir assim por muito tempo.

A cada dia que passa, Anna e West vão se ligar mais e a atração ficará cada dia mais inegável. Só que o homem ainda não entende porque ela, sendo filha e irmã de um duque, vive naquele mundo sombrio, sendo comandada pelos caprichos de Chase. Simplesmente, porque, como todos que frequentam o Anjo, não sabe a real identidade do quarto sócio. E, como a Sociedade só enxerga o que quer, sequer cogitam que é uma mulher quem comanda todo aquele império. Então, ainda que diversas dicas estejam em seu caminho, ele não percebe e morre de ciúmes daquele que julga ser o dono de Anna.

“[…] Você acha que eu não a compreendo? Você acha que Bourne não compreende? E Cross?”, ele acrescentou, referindo-se aos outros dois donos do cassino. “Todos nós tivemos que sair das sombras e rastejar de volta à luz. Todos nós tivemos que clamar pela aceitação deste mundo.”

Só que, ainda que as pessoas desejem muito, segredos nunca ficam guardados para sempre. E, os segredos de West e Georgiana, a cada dia que passa, estão se aproximando da superfície. Basta saber como irão reagir quando tudo vir à tona. E, não só como ficará a relação entre eles, mas até onde o próprio Anjo pode ser atingido. Mas, mesmo não desejando que o amor chegue na sua vida, quando acontecer, nossa bem mulher perceberá o quanto ele é poderoso, devastador e com sacrifícios. Será que ela estará disposta a tudo? E, como o nosso lindo homem ficará quando perceber as coisas que sempre estiveram na sua frente?

Muitas coisas vão acontecer durante a grandiosa volta de Georgiana à Sociedade, mas deixarei que vocês descubram durante a leitura. Então, vamos falar sobre a própria. Desde a primeira vez que li sobre a jovem Georgiana, recém arruinada, ela me deixou impressionada com a personalidade forte e pronta para a luta que ela tinha. E, aqui, podemos ver todo o império que ela conseguiu construir, com muita força de vontade e até mesmo desejo de vingança sobre aqueles que tanto a julgaram. Ela é implacável, obstinada, inteligentíssima, mas acima de tudo, ela é uma mãe preocupada de que os terríveis comentários sobre a sua indiscrição atinja sua filha e será capaz de tudo para protegê-la disso, mesmo que sacrifique a sua própria felicidade. Além de tudo, depois do que lhe aconteceu, ela deixou de acreditar na plenitude de amor, ainda que veja seus sócios curtindo o sentimento.

“Isso não me importa nenhum pouco”, respondeu Cross, jogando uma carta na mesa. “Aposto cem libras que West é o homem que vai quebrar a maldição de Chase!”

O papel de protagonista masculino fica a cabo de Duncan West, o maior jornalista de Londres. Ele nos foi apresentado no livro do Temple e entendemos o quanto ele desfruta do Anjo Caído e o quanto também os ajuda, com os escândalos, quando necessário. Ele vai se aproximar de Georgina por se sentir culpado pelo cartoon que a fez voltar à Sociedade, mas logo vai perceber que a atração que sente é muito maior que isso. Mas, se posso citar Bourne, ao mesmo tempo que West é muito inteligente, também não consegue enxergar um palmo a sua frente, tornando engraçado o ciúme que ele sente de Chase, ainda que o torne cabeça dura também. Ele é um homem apaixonado e torturado, por não poder ficar com o objeto de seu desejo, não só pelos planos dela, mas pelo passado dele. E ver o caminho que os dois vão traçar é incrível.

Como vem acontecendo desde o início, os secundários são um show a parte. Os outros três sócios do Anjo Caído são bem presentes no livro e não vão perder a chance de torturar ‘Chase’ um pouquinho. Depois dela ter se intrometido na vida e nos amores deles, a hora de devolver chegou. São vários momentos super engraçados, inclusive com direito a um flagra de Temple, que me fez passar mal de rir. Sem dúvidas, é um dos pontos altos o fato deles implicarem com ela, como um bando de irmãos mais velhos, esperando por esse momento. Mas, eles também não hesitam em defendê-la e é isso que me faz amar completamente a amizade deles quatro. As esposas também participam e formam outro momento super incrível. Não posso deixar de citar Caroline e sua doce fofura. A filha de Georgiana é super inteligente, um doce e bem engraçada. Senti vontade de proteger ela do mundo, junto com sua mãe.

“Às vezes, as pessoas fazem coisas para proteger as pessoas que amam. Para garantir que fiquem felizes.”

Eu preciso dizer que estou aqui para exaltar e propagar a palavra de Sarah MacLean. A mulher é maravilhosa, não é a toa que se tornou uma das minhas autoras preferidas. Dessa vez, em sua história, Sarah ousou e arrasou colocando a mocinha do maior papel possível, comandando todo o submundo de Londres, onde a aristocracia peca e ela coordena. E isso foi genial. Confesso que eu vinha desconfiando de que Chase fosse uma mulher e que mulher era essa. Mas, não imaginava o quão maravilhosa seria a trama que ela iria criar. Não vão haver palavras que deixem claro a perfeição que foi essa leitura para mim. Seus personagens maravilhosos, as camadas que Sarah sempre cria, os momentos de risadas e aqueles que nos emocionam profundamente. Além de tudo, ela ainda nos oferece uma forma de matarmos as saudades dos personagens anteriores, que aquece nosso coração. Outra coisa que amo, é como ela sempre dá um jeito de colocar uma referência a tragédias Gregas que sempre casam com o que ela está narrando. Ah!, não posso deixar de comentar o fato de que temos um easter egg para outra série da Sarah, Escândalos e Canalhas, com a participação de Sophie Talbot e citação a Rei, os protagonistas de Cilada para um Marquês. Não nego, dei gritinhos com o que pode ter sido o primeiro encontro deles!

Falando sobre a edição, a Gutenberg manteve as capas originais, o que eu amei. Acho que foi a primeira vez que vi isso acontecer. A capa é muito a cara da Georgiana, assim como as outras valorizavam as suas protagonistas. Ela estar de calça, mas segurando um vestido branco é muito icônico. Os capítulos são numerados e, na abertura, temos duas notinhas de periódicos de fofoca, que matam a saudade não só de outros personagens da série, como da trilogia Números do Amor também. As folhas são amareladas, com espaçamentos e letras confortáveis para a leitura.

“Eu tenho uma teoria segundo a qual as mulheres sugam nossa inteligência enquanto as cortejamos e a guardam para si. E é por isso que elas veem a jogada final antes de nós.”
Temple aquiesceu devagar, como se Cross tivesse dito algo extremamente sábio.
“Essa é uma teoria muito boa”, concordou Bourne. 

Nunca Julgue uma Dama pela Aparência foi o jeito perfeito de se encerrar uma série! Não tenho palavras suficientes para poder exaltar esse livro e pedir que vocês leiam! Estou quase disposta a implorar por isso haha. Sem dúvidas, se tornou o meu preferido de toda a série, roubando o lugar que, até então, pertencia ao Cross. Com muita saudade já, deixo minhas cinco Angélicas para esse livro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s