Resenha ‘Arrebatado pelo Mar – Nora Roberts’

Oi ooooi gente! Hoje eu vim falar sobre o livro Arrebatado pelo Mar, da Nora Roberts. Esse é o primeiro livro da Saga da Gratidão, que vai contar a história dos Irmãos Quinn. Apesar de gostar da autora, não li tantas coisas que ela escreveu, muito menos conhecia esse quarteto. Mas, essa edição veio na terceira caixa de 2021, do Clube da Carina. Sabe aquela premissa de ‘não julgue o livro pela capa’?! Pois é… Antes de falar mais, fiquem com a sinopse…

Em Arrebatado pelo mar, primeiro livro da Saga da Gratidão, três jovens são unidos pelo amor de um extraordinário casal que os adotou e lhes deu uma família. Cameron Quinn vivia uma vida de luxo e lazer, corridas de barco e mulheres, até ser forçado a voltar para a casa da família. Seu pai, Ray, faleceu, e Cameron fez uma promessa a ele no leito de morte – uma promessa que mudará a sua vida. De volta ao lar, ele terá de reaprender a conviver com seus irmãos adotivos, Phillip e Ethan, para que juntos possam oferecer um lar estável a Seth, um jovem acolhido por Ray. Além das dificuldades de cuidar da casa e de um menino problemático, Cameron também terá de lidar com a bela assistente social, Anna Spinelli, designada para o caso de Seth. Antigas rivalidades e novos ressentimentos surgem entre Cam e seus irmãos. E Anna tem nas mãos a responsabilidade de decidir o destino do menino e unir ou separar os Quinn para sempre.

Cameron Quinn é o filho mais velho de Ray e Stella Quinn. Os dois adotaram o arredio menino quando ele tinha 13 anos e estava muito mal. Eram diversos comportamentos destrutivos, como roubo, ingestão de álcool, vandalismo e fuga da escola. Além do péssimo convívio com o pai, que vivia espancando o jovem. Depois de mais uma surra, em que acabou ensanguentado, Cam jurou que iria embora e nunca mais voltaria. Seu plano era ir para Califórnia, talvez México. Mas o seu caminho acabou cruzando com o do casal, quando ele tentou roubar o carro do quintal. Ali, Ray o descobriu e Stella cuidou de seus ferimentos. E nunca mais deixaram que ele fosse embora. Logo depois chegaram mais dois meninos que se tornaram seus irmãos, Ethan e Phillip.

Anos antes da história começar oficialmente, Stella já havia falecido, devido a um câncer agressivo. Agora os rapazes só tem o pai. Cameron está em Monte Carlo, curtindo mais uma de suas vitórias. O homem gosta de carros rápidos, barcos velozes, mulheres atraentes e dinheiro. Mas, seu castelo de felicidade está prestes a ruir, quando ele recebe o recado de um de seus irmãos, pedindo para que ele volte para casa. Seu pai sofreu um grave acidente de carro e está entre a vida e a morte. Então, ele começa a pedir diversos favores para poder ir para casa o mais rápido possível. Ao chegar no hospital, ele fica sabendo que não há muitas esperanças para Ray. Mas, seu pai tem uma última surpresa e um último pedido. Recentemente, ele adotou mais um menino, Seth, e deseja que os filhos mais velhos fiquem unidos e criem a criança.

– Mas como ficaremos com ele? – Cam tornou a se sentar. – Quem vai deixar três caras adotarem um garoto?
– A gente arruma um jeito – Ethan se serviu de café, e colocou tanto açúcar que fez Phillip virar o rosto, fazendo uma careta. – Ele agora é nosso!

O que não será uma tarefa fácil. Começando que, além de Ethan, os outros dois ainda não tinham tido contado com o menino, que é bastante arredio. Além disso, existem boatos de que ele possa ser filho verdadeiro de Ray, manchando a carreira dele como professor e a imagem de bom marido. E piora ainda mais, quando começam a dizer que o patriarca, na verdade, tentou o suicídio, ao jogar o carro no poste, por causa da vergonha que estava sentindo, e também pelo dinheiro que precisava arrumar para ficar com Seth, o que era uma exigência da mãe. Mas, não é como se algum dos três irmãos Quinn acreditassem nisso. Eles ficam possessos com os rumores e determinados a defender a memória do pai, enquanto descobrem um modo de cuidar da criança.

Como Phillip trabalha em outra cidade e Ethan passa muito tempo no mar, fica decidido que será Cameron que ficará com Seth na casa, cuidando dele e das tarefas domésticas. O que logo vai se provar um caos. O mais velho não sabe fazer nada, nem mesmo uma comida decente e o mais novo não vai facilitar em nada. O pequeno é respondão, arredio, tem vários problemas e não vai confiar de cara naqueles três homens mais velhos. Acredita piamente, que não vai demorar para que eles o coloquem na rua e vão viver suas vidas. Só que isso está longe de ser verdade, afinal, até a entrada na papelada oficial de adoção, já foi feita. E, é dessa forma que Anna Spinelli vai entrar na vida deles. Ela é a assistente social responsável pelo caso e quer o melhor para todos eles.

– […] Estou contando com cada um de vocês. Ethan aceita as coisas como elas vêm e faz o melhor com elas. Phillip quebra a cabeça pensando em todos os detalhes e amarra todas as pontas. Você força a barra com tudo, até que as coisas funcionem do seu jeito. O menino precisa de vocês três. Seth é o mais importante. Vocês todos são a coisa mais importante agora.

Se ela tem alguma dúvida inicial sobre três adultos solteiros cuidando de um menino de 10 anos, ela logo vai começar a ver que os quatro juntos são perfeitos. Claro que ela dá conselhos que possam ajudar a melhorar o convívio, mas percebe que Seth está seguro ali e que gosta do lugar. Ela verá os irmãos começarem um negócio, tentar dar confiança para a criança e estarem em uma front unida. Além de sua ligação profissional, uma química enorme surge entre ela e Cameron, que, apesar de tentarem resistir, vão se render ao desejo. A questão é que o pé atrás que o homem tem com profissionais como ela, faz com que nem tudo seja flores entre eles, podendo prejudicar tudo o que eles estão construindo. A verdade é que Cam precisa não só aprender a lidar e amar Seth, como deixar muitos de seus achismos para trás, conseguindo assim, uma grande mulher em sua vida.

Olha, acreditem quando digo que ainda tem MUITA coisa para vocês descobrirem sobre essa história e esses quatro irmãos. E, se me permitem dizer, preparem seus corações e lenços para tantas partes emocionantes que tem. Mas, quero falar sobre os personagens, começando por Cameron. Ele é um cara que tem uma vida badalada e, de certa forma, desregrada, seguindo seus desejos e vontades. Mas, também não pensa duas vezes em voltar e cumprir o desejo de seu pai, mesmo pensando em sua antiga vida. Cam vai ser o que mais lidará com Seth em um primeiro momento e, com isso, temos várias das melhores partes do livro. São momentos em que ele deixa claro que vai atrás do menino, aonde quer que ele tente ir. Que irá defendê-lo na escola, de outros garotos idiotas. Que irá protegê-lo até mesmo se um risco de acidente se fizer presente. Ainda que eles tenham embates em suas discussões, o amor que vai surgindo entre os dois é muito claro e puro.

– Jamais confunda o que eu faço, com quem eu sou, Cam – pediu ela, baixinho. – Você precisa ser honesto comigo, senão o resto não vai significar nada.

A Anna é a presença feminina mais forte do livro, ainda que tenhamos outras participações. Inicialmente apresentada como assistente social do caso dos Irmãos Quinn, também vai conquistando os corações de alguns deles. Como profissional, ela é incrível, dedicada, se preocupa de verdade com os casos que cuida, muitas vezes colocando até sua segurança em risco. Muito decidida, também vai guiar seu caso com Cameron, deixando claro que sente desejo por ele, ainda que não esteja pronta para um relacionamento e sabe que ele também não. Mas, além de tudo isso, Anna também tem uma história pessoal muito marcante, que toca profundamente, e que a fez escolher o caminho pelo qual quis seguir.

Não sei de chamaria de ‘meros secundários’, mas temos Ethan, Phillip e Seth mais ao fundo, ainda que considere o pequeno tão protagonista quanto o seu irmão adulto. Sobre os mais velhos, temos apenas vislumbres de como eles eram como mais novos, que eram tão problemáticos quanto Cameron e, que depois que acolhidos por Ray e Stella, tiveram transformações em suas vidas e se tornam adultos incríveis. Os três vão voltar a morar juntos, pensando no processo de adoção do mais novo, e isso rende muitos momentos entre eles, desde uma grande união dos Irmãos Quinn, que se defendem acima de tudo, até brigas com socos, por comentários engraçadinhos. Já com Seth, é notória a evolução que ele tem durante o livro, deixando de lado muita da desconfiança que ele sentia. Ao se sentir acolhido, ele vai começar a desabrochar e confiar. Seu jeito pronto para briga e respondão também rende momentos engraçados, especialmente nos embates com Cam. A verdade é que a gente fica quase sem saber quem é mais imaturo haha.

– No dia em que meu pai morreu eu prometi a ele… nós três prometemos a ele… que manteríamos Seth em nossa companhia. Nada nem ninguém vai me fazer quebrar essa promessa. Nem você, nem o seu sistema, nem um batalhão de policiais. 

Falando sobre a autora, eu já li outras séries da Nora Roberts, curiosamente, cada uma de uma editora, mas todas trabalhavam muito essa ideia de família, o que eu gosto bastante. Só que, diferente das outras, que tinham uma pegada mais leve, essa vem com assuntos mais pesados e dramáticos. Não tanto no presente, porque o foco são os irmãos tentando se adaptar a nova vida deles, todos juntos, e sim pelo passado de todos eles. Desde Cam, até Anna e Seth, todos tem histórias tensas. Seja envolvimentos antigos com entorpecentes, espancamento, estupro e outro tipo de abuso, que são relatados. Mas, apesar dessas passagens, não é isso que move o livro, preciso dizer. É como se tivéssemos que passar pelas partes ruins, para entendermos as boas de cada um deles. São personagens humanos demais, que vão ganhando nossos corações e o nosso desejo de que eles possam seguir sempre com felicidade. A trama me cativou demais, fiquei apaixonada pela grande família que eles são e pela trilha que estão começando a fazer juntos. Achei que, mesmo com os momentos mais sérios, os engraçados são um ótimo contra ponto e deixaram a história fluir bem. A narrativa é em terceira pessoa.

Sobre a diagramação, já deixei claro que não sou muito fã da capa que a Bertrand Brasil trouxe, mas para falar a real, nenhuma capa desse livro é bonita, seja lá fora, ou aqui. Então, a nacional consegue ser até melhor que a original. Por dentro, temos simplicidade, com os capítulos numerados, folhas levemente amareladas, espaçamento e letras confortáveis para a leitura. Como a minha edição é do Clube da Carina, a capa tem o adesivo do clube.

Quatro homens… quatro irmãos… não de sangue, mas de coração. Era fácil perceber o quanto eles compreendiam uns aos outros, e como haviam conseguido não apenas aceitar o menino em suas vidas, mas acolhê-lo.

Como disse lá no início, esse foi, sem dúvidas, o caso de nunca julgar um livro pela capa. À primeira vista, torci o nariz, confesso. Mas, que bom que recebi esse livro no Clube. Que bom que me propus a ler todos os livros que viessem esse ano. Nora me entregou aquele que se tornou um dos meus livros preferidos de 2021, com uma história forte, de gratidão, família e do poder de cura do amor. Deixo minhas cinco Angélicas e me preparo para o próximo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s