A Hora do Chá ‘O Duque Solteiro – Sabrina Jeffries’

Oi ooooi gente! Estou de volta com a segunda parte do nosso chá essa semana. Mais cedo vim falar sobre o conto Um Par Perfeito, que se encaixa como o 1.5 da série Dinastia dos Duques, da Sabrina Jeffries. Depois de conhecermos as histórias dos filhos mais velho e mais novo, agora vamos para outro membro da família. E, apesar de não faltar duques, como bem sinaliza o nome da série, a realidade é que essa trama de amor e paixão vai ser sobre a irmãzinha deles e um Major ranzinza. Antes de falar mais alguma coisa, fiquem com a sinopse…

Lady Gwyn é uma jovem impetuosa que ama a família acima de tudo. A fim de proteger a reputação dos seus, ela vem escondendo de todos um caso amoroso que teve há alguns anos e terminou de forma traumática. Mas, quando o ex pretendente aparece ameaçando revelar seu segredo, é Gwyn quem precisa de proteção.
Contra a vontade dela, seu irmão gêmeo, o duque de Thornstock, convoca Joshua Wolfe, um fuzileiro real, para mantê-la segura em Londres durante sua apresentação à sociedade.
Gwyn acha muito irritante ter alguém vigiando todos os seus passos enquanto ela tenta fugir tanto do passado e dos caça-dotes que se reúnem à sua volta. Ainda mais sendo um herói de guerra sisudo que não vê a menor graça em suas tentativas de flerte.
Mas baile após baile, a fachada de seriedade de Joshua começa a ruir e uma atração avassaladora cresce entre eles. E enquanto a ameaça do ex ainda paira sobre ela, Gwyn precisa decidir o que é mais perigoso: esquivar-se das tentativas de chantagem ou abrir seu coração para o rude guarda-costas ao qual não consegue resistir.

No livro anterior, conhecemos toda a dinâmica da família de Lydia Fletcher. Como a duquesa acabou casamento e enviuvando de três duques diferentes, todos eles ganhando seu próprio herdeiro. Mas, além de todos os seus filhos homens, ela teve uma única menina, Gwyn. E está chegando a hora de seu debute na sociedade, mesmo que bem tardio, já que ela tem 30 anos. Ela passou todos esses anos longe de Londres, vivendo na Prússia, onde seu padrasto era embaixador, até receber o ducado herdado. Mas, antes de rumar para a cidade e fazer a sua grande apresentação, Lady Gwyn já está passando nervoso, porque um fantasma do passado resolveu voltar. Lionel Malet está de volta e a está chantageando. Ele quer dinheiro para manter o relacionamento que eles tiveram em segredo, para não arruinar a reputação dela.

Ela resolve encontrar o seu antigo amado, para dizer que irá pagá-lo, mas ele terá que esperar. Afinal, com ela no campo, não teria motivo para Thorn, seu irmão gêmeo, lhe dar algum dinheiro. Quando ele resolve partir para a ameaça, Joshua Wolfe chega e o coloca para correr da propriedade. Ele é um major da reserva, afastado devido a ferimentos de batalha. Irmão de Beatrice, tem melhorado o seu convívio com a família, depois do casamento da irmã. Ele sabe muito bem quem é Malet, porque ele já havia tentado sequestrar Cass, no natal anterior. E, agora, acredita que o homem quer fazer o mesmo com Gwyn, para poder garantir algum dinheiro.

– Thorn não faz todas as minhas vontades, nem meus meios-irmãos.
– A palavra mais importante aqui é “irmãos”. Irmãos homens sempre veem uma irmã com mais clareza do que outros cavalheiros.

Joshua decide que irá acompanhar a dama até em casa e contar para o gêmeo o que aconteceu. Thorn então tem uma ideia. Como Gwyn deixa claro que não o quer junto dela o tempo todo, para não afugentar pretendentes, decide pedir para Wolfe que ele assuma o papel de guarda-costas da irmã. E ela sabe que aceitar que, sendo o major aquele que ficará por perto, suas chances de poder entregar a chantagem de Malet é maior, assim como também ganhar vantagens, como aprender a atirar. Já Joshua se questiona onde está sua cabeça, aceitando ir para a movimentada Londres e ficar ainda mais na presença da mulher que tanto lhe chama atenção.

A hora de ir para Londres chega e todos partem para a cidade, mas não sem alguns sustos pelo caminho, que acabam aproximando ainda mais o casal, já que até um beijo rola entre eles. Só que os dois são teimosos e não vão se render as suas vontades muito facilmente. Cada um com seu motivo, um não consegue confiar plenamente no outro. Joshua, porque não consegue acreditar que uma linda mulher sentiria atração por um homem manco e que nem consegue manter a sua carreira militar. Já Gwyn, porque acredita que o homem é severo, com muito pudor e que não aceitaria alguém com um passado como o dela. Afinal, a lady acabou caindo no conto do amor e já se entregou a um homem antes.

E quanto mais a beijava, mais queria beijá-la. Os lábios dela eram tão receptivos, tão tentadores. Poderia passar o dia inteiro ali, com a mão na cintura dela, o joelho roçando no dela através do vestido.

Devido ao fato de ser o guarda costas da dama, o major acaba ficando muito tempo junto dela e eles vão ficando cada vez mais ligados. A ponto de Gwyn não conseguir esconder a chantagem de Malet e Joshua ficar enfurecido, não só com o traste fazendo ameaças, mas com o fato dela e Thorn terem escondido a ligação do passado. Mas, independente de qualquer coisa que apareça no caminho, os sentimentos de ambos vão ganhando cada vez mais força, tanto o desejo, quanto o amor. Só que, para que consigam encontram o rumo um para o outro, eles vão precisar ser sinceros sobre seus passados, seus segredos e temores. Além de admitir todas essas coisas, eles também vão ter que lidar com as armações de Malet, que não vão terminar facilmente.

Deixando a trama de lado agora, quero falar sobre os personagens, começando com a Gwyn. Desde o livro anterior, ela já tinha me chamado bastante atenção, muito por conta de sua personalidade bem decidida e impositiva em alguns momentos. Claro que, crescendo com quatro irmãos, ela precisava saber se impor mesmo. Mas, anos atrás, o relacionamento com seu irmão gêmeo ruiu. Por muito tempo, acharam que era por ter se negado a voltar para a Inglaterra com Thorn, quando ele veio reclamar o ducado, mas a mágoa era por outro motivo. Um que a deixou sem chão, muito amedrontada e sem poder dividir sua angústia com ninguém. A situação ainda mexe com ela, mas Gwyn está descobrindo como pode ser bom amar, é lindo de ver.

– A senhorita é bem autoritária para uma mulher.
– Conhece a minha família, não conhece? Quando estamos juntos, é a batalha dos duques, todos lutando para as coisas serem feitas a seu modo. Aprendi que se quiser que minhas vontades sejam consideradas, preciso mergulhar de cabeça na briga, de igual para igual.

Já Joshua, ainda que tão ranzinzo quanto no primeiro livro, também nos apresenta um outro lado. Ele tem todos os motivos do mundo para estar infeliz, desde o grave acidente que ele sofreu, durante a batalha. Deixar de servir na carreira militar e ser só o guarda caças da casa da família, mexe também com sua auto estima. Mas a ida pra Londres, vai melhorar muita coisa. Começando com ele conseguindo um emprego muito bom como o subsecretário de Guerra. E seu relacionamento com Gwyn também fará bem. Ele passa a entender que uma mulher pode vê-lo com olhos apaixonados e encantados. A verdade é que, individualmente, ambos já são apaixonantes e queridos. Mas como casal? Meu Deus, só suspiros…

Quanto aos secundários, temos participação, seja maior ou menor, de todos aqueles que conhecemos. Lydia continua uma mãezona querida, tão empolgada e casamenteira quanto antes. Na parte de irmão, obviamente, Thorn é quem tem mais destaque, já que ele é o gêmeo de Gwyn e o mais responsável por ela. Ele sofre muito com o distanciamento entre eles, mas as coisas estão para mudar. E para melhor. Beatrice também surge para aconselhar, tanto o seu irmão, quanto sua cunhada. Grey, Sheridan e Heywood também tem seus momentos, sejam engraçados ou de, puramente, irmãos. Assim como no conto, a parte intragável pertence a Lionel Malet. Só que agora, ele está disposto a muito mais do que sequestrar uma herdeira.

O sorriso dele era incrível, quando ele se permitia sorrir. E quando Gwyn levou uma colherada de sorvete à boca, o fogo que surgiu no olhar deles, seria capaz de derreter o sorvete dele. E o dela. E o de todo mundo por perto.

Quero dizer que estou convencida de que preciso enaltecer e propagar as palavras de Sabrina Jeffries e sua Dinastia dos Duques. Não vou cansar de repetir o quanto acho a ideia de fazer uma mãe de três duques, uma coisa sensacional. Realmente, ela construiu uma marca haha. Até agora, foram três histórias lidas, em que amei uma mais do que a outra. Suas tramas tem toques para agradar de um ponto a outro, pegando um toque de drama, outro de comédia, mais um de mistério, uma pitada de sensualidade e sempre com muita emoção. Seus personagens são muito cativantes, com várias camadas e intensidades. Ela os constrói com toda pompa e para nos manter conquistados e curiosos para o que ainda estar por vir. As páginas se passam, sem que a gente sequer sinta. Não vou mentir, quando terminei, fiquei com vontade de fechar o livro, respirar fundo e recomeçar, de tanto que gostei. Sem dúvida, foi uma aposta certeira da Editora Arqueiro em trazê-la para o Brasil. Me tornei super fã mesmo.

Na parte da diagramação, a Editora Arqueiro trás mais uma capa linda e delicada, com flores em detalhe. Por dentro, a simplicidade padrão que já conhecemos e amamos. As folhas são amareladas, com espaçamento e letras confortáveis para a leitura. Mesmo sendo o segundo livro, eles mantiveram a árvore genealógica dos filhos de Lydia. Para quem comprou em pré-venda, ainda recebeu um marcador de metal como brinde. Minha única reclamação quanto a esse livro, sendo até um pouco chatinha, tem a ver com o nome. Na tradução original, ficaria algo como ‘O Solteiro’. Até consigo entender a editora não lançar com esse nome e que queira fazer uma ligação com o nome da série, ainda assim, não acho que o nome ficou certo. Poderia ser até ‘A Irmã dos Duques’, pois o Joshua não é duque, não tem justificativa para ser ‘O Duque Solteiro’.

– Amar é como beber fogo e ter certeza de que não vai se queimar, mesmo sabendo que isso queimaria qualquer um. Significa confiar em alguém quando não deveria. Porque você sabe, bem no fundo do seu coração, que a pessoa em que está confiando vale a pena. 

O Duque Solteiro foi uma leitura super incrível! Já tinha amado o primeiro livro, o conto… agora fiquei ainda mais apaixonada. A história de Gwyn é linda, a de Joshua é tocante e, junto, como casal, eles são arrebatadores. Vou proteger e propagar o nome dessa série para todos! Vou pedir, por favor, leiam! Quanto mais gente ler, mais gente eu vou ter para conversar sobre todos esses personagens apaixonantes. Deixo minhas cinco Angélicas, enquanto morro de ansiedade pelo livro do Duque de Thornstock.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s